Concha Acústica – histórico

Concha Acústica da UFSC, anos atrás

 

CONCHA ACÚSTICA DA UFSC

PALCO ARTÍSTICO DO PROJETO 12:30

ESTÁ ÀS VÉSPERAS DE COMPLETAR 20 ANOS

 

A Concha Acústica da UFSC, equipamento cultural para apresentações artísticas, gerenciada pelo Departamento Artístico Cultural (DAC) da Secretaria de Cultura (SeCult)* da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), está instalada em gramado da praça central do campus de Florianópolis, a Praça da Cidadania, entre os edifícios da Reitoria e do Centro de Comunicação e Expressão (CCE).

A concha propriamente dita é formada por uma superfície de base semicircular e boca parabólica, como metade de uma abóbada esférica. A superfície interna, que reflete o som, é composta de 20 gomos de fibra de vidro com base de 63cm. A concha apóia-se num piso retangular de cimento, que serve de palco, com cerca de 70m2;

Quando a professora Severina Borges, profissional do DAC, participava de festival cultural em outro estado, conheceu o equipamento e percebeu as possibilidades de uso de uma Concha Acústica na UFSC. A proposta foi apresentada à instituição, e depois de muitos e longos trâmites e negociações com a empresa de Cuiabá, foi adquirida pela UFSC e inaugurada em 1994 com um concerto do Coral da UFSC, na Praça da Cidadania.

Na ocasião, a concha foi montada sobre palco desmontável de madeira. A concha era um equipamento desmontável, que poderia ser “facilmente” montada ao ar livre ou em áreas cobertas. Assim, nos primeiros anos, a concha foi utilizada também em evento externo: em Santo Antônio de Lisboa, no Saco dos Limões, e no palco do Centro Integrado de Cultura (CIC) para o concerto de fim de ano do Coral da UFSC, em 1994, que também encerrava a turnê européia do grupo.

A montagem e desmontagem do equipamento a cada evento não era, afinal, tão prática assim. Quando a concha era apenas apoiada sobre o palco de madeira, ao ar livre, houve vezes em que ela tombou devido a vendavais. A fim de também otimizar o uso do equipamento, em fins da década de 1990, optou-se por deixá-la montada na Praça da Cidadania, afinal, o Projeto 12:30, com atrações semanais desde 1993, justificava o seu uso, além de que outros eventos promovidos pela UFSC também faziam parceria com o DAC para realização de uma programação artística. Logo em seguida, percebeu-se que um palco fixo, com estrutura de concreto e cimento, com a concha fixada sobre esse palco, seria o mais adequado. Assim, por mais de uma década, a concha está instalada onde ainda hoje se encontra.

 

Projeto 12:30

O Projeto 12:30, uma iniciativa do DAC (Departamento Artístico Cultural da UFSC), surgiu em 1986 com edições esporádicas. Em 1993 adquiriu caráter semanal: toda quarta-feira uma atração diferente apresenta-se ao meio dia e meia (às doze e trinta!), em frente ao prédio ou no Varandão do CCE, e na Concha Acústica, a partir de fins da década de 1990. Em 2001, o Projeto 12:30 cresceu, sendo criada uma versão acústica para os amantes da música de câmara, instrumental ou de shows mais leves e elaborados. Outro desdobramento, o Intercâmbio Catarinense, levava apresentações musicais para escolas públicas da Grande Florianópolis. Em 1999, o Projeto 12:30 lançou um CD com 12 faixas inéditas e a participação de mais de 60 músicos. O Projeto 12:30 na TV foi outro desdobramento do projeto que gravava alguns shows na concha, produzindo material para ser veiculado na UFSC TV.

O sol do Projeto 12:30 é uma logo azul e amarela, da cor do sol e do céu, do horário das doze e trinta, que remete às cores da UFSC.

Os relatórios do projeto apontam para um público anual direto da ordem de 12 mil pessoas, com a presença de cerca de 300 artistas, em 50 apresentações anuais. Pois, além das quartas-feiras, quando havia semana especial de congressos, seminários ou festivais, eram programadas atrações para todos os dias da semana.  Por muitos anos, a grande maioria das apresentações artísticas do projeto teve lugar no palco da concha.

 

Utilização da Concha Acústica

Com exceção destes últimos dois ou três anos, em que está bastante avariada, a Concha Acústica tem sido intensamente utilizada pelo Projeto 12:30.  O projeto, atendendo aos seus objetivos originais, sempre recebeu, principalmente, apresentações de música, de teatro e de dança, mas também já apresentou workhops de pintura e de artesanato.

Recebendo artistas iniciantes, com mais experiência e artistas profissionais, o Projeto 12:30 sempre teve a característica de berçário para a música local. Muitos trabalhos hoje consagrados iniciaram suas atividades no palco do projeto. Dentre eles destacamos: Brasil Papaya, Dazaranha, Tijuqueira, Primavera nos Dentes, Ponte Aérea Instrumental, Sociedade Soul, John Bala Jones, Grupo Engenho — que apesar de não ter estreado no Projeto se apresentou algumas vezes na Concha Acústica —, Karibu Trio e Somato.

Pela visibilidade do Projeto 12:30 e da Concha Acústica, o DAC foi procurado diversas vezes como parceiro para realizar programações culturais na UFSC.

Por volta de 2003, a UFSC participou de uma mobilização nacional pelo Dia Mundial da Paz, e a Concha Acústica foi o palco para o ato público, com show musical e “happening” de artes visuais da artista Sônia Zanetti, em que um grande tapete branco sobre o gramada ia-se colorindo à medida que o público caminhava sobre ele. A proposta artística chamava a atenção da comunidade: “Para onde vamos?”

Em julho de 2005, a UFSC recebeu edição do “Circuito Cultural Banco do Brasil”, um dos principais eventos culturais itinerantes do País que colabora para a democratização do acesso à cultura, e a concha, palco do Projeto 12:30, foi escolhida para receber apresentação de grupo musical ao ar livre.

Em setembro de 2005, a UFSC sediou o 23º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul – SEURS, com o tema “Extensão Universitária e Inclusão Social” e o palco do projeto recebeu variadas atrações artísticas de universidades de outras regiões.

A 58ª Reunião Anual da SBPC, ocorrida em julho de 2006 em Florianópolis, utilizou o palco do projeto para apresentação de uma programação cultural que valorizava os talentos artístico-culturais locais.

Em agosto de 2007, o projeto “Concertos Universitários”, realizado através da Lei Rouanet, e que passou por diversos estados Brasileiros, esteve no palco do Projeto 12:30 e apresentou o grupo “Com a Corda Toda”.

Em uma de suas edições, o Festival de Teatro Isnard Azevedo, de Florianópolis, trouxe apresentações teatrais para a UFSC, em todos os dias de uma semana, aproveitando a visibilidade do Projeto 12:30.

Desde a sua primeira edição em 2007, o Festival Internacional de Teatro de Animação de Florianópolis – FITAFloripa, parceria que envolve o DAC, tem realizado apresentações no palco do Projeto 12:30,  trazendo grupos locais, nacionais e estrangeiros para se apresentarem ao ar livre na campus da UFSC.

Até o cachorro Catatau foi homenageado no Projeto 12:30 na semana do Dia Mundial dos Animais, em outubro de 2009. Nas Imediações da Concha Acústica da UFSC foi inaugurada a placa em homenagem ao Catatau. Homenagem como fruto do esforço conjunto das três categorias da UFSC – alunos, técnico-administrativos e professores – e de simpáticos à causa.

Há pouco tempo, grupo de estudantes da UFSC se mobilizou para defender a permanência da Concha Acústica na Praça da Cidadania: “A concha é nossa”.

 

Arte e Intervenções

Nestes quase vinte anos de existência, a Concha Acústica passou por bons e maus momentos. Fruto natural do desgaste pelas intempéries ou por força de ações humanas.

No início da década de 2000, a parte externa da concha serviu de suporte para uma intervenção artística do artista visual Laércio Luiz, que pintou instrumentos musicais e outros símbolos artísticos sobre a face curva externa azul da concha.

Sofrendo com os desgastes, em 2005 a concha passou por uma reforma de manutenção, com reforços em toda a estrutura metálica, nas placas de fibra de vidro e no sistema de fixação no piso de cimento. A logo do Projeto, o grande sol amarelo e azul, voltou a brilhar vivo na face interna, servindo de pano de fundo para as atrações no palco, compondo, com os artistas que se apresentam, um visual singular.

Alguns anos depois, além das lastimáveis pequenas pichações corriqueiras, a pintura da concha ficou bastante danificada com intervenção maciça de grupo de alunos, sem projeto visual.  Foi novamente recuperada a pintura.

Há alguns anos, outro grupo, esse com proposta mais consistente, fez uma intervenção artística na superfície da concha.

Mas a concha está na rua, ao ar livre, exposta à diversidade das forças da Natureza (climática e humana), e precisa de manutenção.

A UFSC, por meio da sua Secretaria de Cultura(*), está empenhada na revitalização desse equipamento que há anos tem sido palco do Projeto 12:30 e de outros projetos que contam com a atuação do Departamento Artístico Cultural.

Para evitar os danos causados pelo sol forte ou pela chuva repentina nos instrumentos, e também para mais conforto dos artistas, havia sido solicitada uma cobertura para a concha. Um projeto que, certamente, precisaria envolver alunos e professores de arquitetura a fim de se encontrar a melhor solução.

A Concha Acústica, para além das suas características técnicas e estéticas, carrega também uma dose simbólica. Se a Praça da Cidadania é um grande laboratório a céu aberto, um território de socialização, praticado pela comunidade, a Concha Acústica, palco do Projeto 12:30, com certeza, é um significativo equipamento desse laboratório.

 

Por Clóvis Werner

Co-fundador/Ex-coordenador adjunto do Projeto 12:30

Por vivência e com material de arquivo.

Em setembro de 2013.

(*) Após 2016, a SeCult voltou a ser SeCArte (Secretaria de Cultura e Arte)

[Texto revisado em 09.08.2017 às 00h23]

[  Grafiteiro Rodrigo Rizzo desenvolve trabalho voluntário na Concha Acústica da UFSC ]