Projeto Cena Aberta apresenta “Paper Macbeth” no Teatro da UFSC

08/08/2013 16:33

O Teatro da UFSC recebe neste final de semana a peça baseada na obra de William Shakespeare, “Macbeth”. A apresentação ocorre nos dias 10 e 11 de agosto (sábado e domingo), às 20h, e com ingressos a R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). O espetáculo faz parte da programação do Projeto Cena Aberta, do Departamento Artístico Cultural da UFSC.

A montagem faz parte do projeto de pesquisa da UFSC “Paper Macbeth”, que tem participação de alunos e ex-alunos do curso de Artes Cênicas e Letras da universidade. A peça foi produzida originalmente para a Cultura Inglesa, participando da 14ª edição do festival da instituição, em 2010.

Apoiada em relatos de guerras entre linhagens nobres do Reino Unido, “Macbeth” é uma das tragédias mais sangrentas de Shakespeare, tendo como pano de fundo a ambição. Transformar a obra em uma montagem para o Teatro de Formas Animadas (que engloba bonecos, máscaras e objetos) era um antigo projeto do bonequeiro Cesar Rossi e da pesquisadora de Shakespeare, Aline Maciel. Para realizar este desafio, a dupla buscou a diretora Sassá Moretti. Do texto foi compilado apenas o essencial, como é comum neste tipo de teatro, para estimular o imaginário do público com recursos visuais.

O projeto de pesquisa é da professora e pesquisadora da UFSC, Maria de Fátima de Souza Moretti. A peça realizou sua estreia em abril de 2010, na cidade de São Paulo, durante o 14º Festival Cultura Inglesa, participando no mesmo ano da “Bodas de Cena – UFSC 50 anos” e da Semana Ousada de Artes da UFSC/Udesc – Edição 2010.

Em 2012, o projeto foi contemplado com o “Prêmio Myriam Muniz” para circulação do espetáculo pelos estados de Santa Catarina e Paraná. Para 2013, além da circulação, tem apresentações marcadas na 3ª Maratona Cultural de Florianópolis, Calourada 2013 da UFSC, VIIº Congresso Internacional Roa Bastos e Projeto “Cena Aberta” – DAC/SECULT/UFSC.

Projeto Cena Aberta

Paper Macbeth – foto Larissa Nowak

 

Como nas três últimas décadas, o Teatro da UFSC, do Departamento Artístico Cultural (DAC), da Secretaria de Cultura (Secult), continua abrindo suas portas para as produções teatrais de Florianópolis e de Santa Catarina. O Projeto Cena Abertavem reforçar o caráter de socialização do espaço do teatro com a classe artística da cidade, como vem promovendo nos últimos 34 anos, o intercâmbio artístico e cultural entre a universidade e a comunidade.

Com a seleção de dez grupos convidados, esse projeto visa estimular e incentivar a produção teatral e artística catarinense, como tornar a produção cultural local acessível à comunidade, com a cobrança de um valor de bilheteria simbólico, exceto na peça de estreia que será gratuita.

Os grupos são selecionados por uma equipe de profissionais de teatro do Departamento Artístico Cultural. Os critérios de seleção dos grupos contemplam a sua trajetória na área da produção teatral, o caráter investigativo da pesquisa cênica e o reconhecimento de seus espetáculos pela comunidade e público em geral. A escolha dos grupos visa mostrar as diferentes formas da linguagem espetacular, como o circo, o drama, a performance, a comédia, o teatro de animação e outras.

Sinopse

Folhas de jornal esvoaçam no vazio e, aos poucos, vão sendo amassadas, dobradas e moldadas por “forças invisíveis”, até tornarem-se bruxas. Assim começa esta montagem de Macbeth, provavelmente uma das peças shakespearianas mais adaptadas ao longo dos últimos 400 anos. Aqui, a tragédia do general escocês é recontada na linguagem do teatro de bonecos – no caso, bonecos de papel que ganham vida através de atores-manipuladores ocultos à visão da plateia.

Ficha Técnica

Paper Macbeth – foto Larissa Nowak

Atores manipuladores: Aline Razzera Maciel, Igor Gomes Farias, Gustavo Bieberbach, Ricardo Goulart e Ronaldo Pinheiro Duarte

Adaptação: Aline Maciel e Sassá Moretti

Bonecos e objetos: César Rossi

Adereços: Margô Ferreira

Cenotécnica: Guilherme Rotulo e Marcos Araújo

Concepção e operação da Luz: Ivo Godois e Gabriel Guedert

Concepção do som: Jefferson Bittencourt

Operação de som: Andrea Padilha e Carol Boabaid

Operação de câmera: Leonardo Sagaz Santos

Direção: Sassá Moretti

Outras informações: www.dac.ufsc.br – (48) 3721-9348 e 3721-2498.

Fonte: DAC – Departamento Artístico Cultural da UFSC

 

Publicado em 08/08/2013 às 14:55, em www.ufsc.br

Coral da UFSC convoca ex e atuais coralisas para filmagem de documentário de 50 anos, dia 10 de agosto

08/08/2013 16:29

O Coral da UFSC está completando 50 anos de existência. Alguns eventos estão sendo realizados para marcar o sucesso e a continuidade do grupo. Entre eles, a confecção de um documentário pelo diretor de cinema, Zeca Pires. No próximo sábado, 10 de agosto, às 14h, no Centro de Cultura e Eventos da UFSC, será realizada uma parte da filmagem para este documentário que contará com a presença de coralistas e ex-coralistas.

Se você é ex-coralista ou conhece alguém que já cantou no Coral da UFSC, envie um e-mail confirmando sua presença para Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher..

Outras informações: Miriam Moritz, regente da Orquestra, Coral e Madrigal da UFSC, (48) 3721-9348.

 

Publicado em 08/08/2013 às 14:20, www.ufsc.br

Teatro da UFSC, peça “Amor de Dom Perlimplim com Belisaem seu Jardim”

19/07/2013 01:39

O grupo Elefants Núcleo de Arte traz para o palco do Teatro da UFSC o espetáculo “Amor de Dom Perlimplim com Belisaem seu Jardim” nos dias 19, 20 e 21, às 20 horas. Está é a primeira vez que a obra de Federico Garcia Lorca, poeta e dramaturgo espanhol, é encenada na capital catarinense. A entrada é franca.

A formação e concepção da peça começou a ser elaborada no fim do ano passado pelo grupo. Os ensaios começaram em fevereiro, utilizando técnicas do encenador japonês Tadashi Suzuki. A peça é uma farsa, representada com os pressupostos da Comedia dell”arte, formato de teatro popular improvisado de origem italiana.

O grupo é formado por alunos do curso de Artes Cênicas da UFSC. A direção é de MarcioCabral, que trabalhou recentemente na peça “Sonho de uma noite de verão”, de Shakespeare, apresentada no bosque da UFSC.

O espetáculo tem patrocínio da UFSC e apoio da Secretaria de Cultura da UFSC, do Departamento Artístico Cultural, do Departamento de Artes e Libras.

Sinopse

“Dom Perlimplim, velho verde, tolo sem forças, tu não és capaz de gozar o corpo de Belisa!”

Em um jardim do século XVIII, Dom Perlimplim, com o apoio de sua fiel criada Marcolfa e seus companheiros elementais, recorre as últimas consequências para conquistar o amor da jovem e formosa Belisa.

 

SERVIÇO:

O QUÊ: peça “Amor de Dom Perlimplim com Belisaem seu Jardim”

QUANDO: 19, 20 e 21 de julho de 2013, às 20 horas

ONDE: Teatro da UFSC (ao lado da Igrejinha) – Praça Santos Dumont, Trindade, Florianópolis

QUANTO: Gratuito. Os ingressos devem ser reservados pelo e-mail ou pelo telefone (48) 99287333. Os ingressos remanescentes serão entregues uma hora antes do início do espetáculo na bilheteria do Teatro.

 

Fonte: Bruna Andrade Acadêmica de Jornalismo, Estagiária no DAC: SECULT:UFSC

Alunos do curso de Artes Cênicas apresentam “O Último Godot” no Teatro da UFSC

05/07/2013 00:32

A peça “O Último Godot”, do dramaturgo romeno Matéi Visniec, sobe aos palcos do Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha, nos dias 5, 6 e 7, às 20 horas. A montagem é resultado da disciplina Processos Criativos do curso de Artes Cênicas da UFSC, ministrada no primeiro semestre deste ano pela professora Dirce Waltrick do Amarante. A entrada é gratuita e os ingressos devem ser reservados pelo e-mail .

O espetáculo é produzido pelos alunos da sétima fase do curso e relembra os 60 anos da estreia de “Esperando Godot”, de Beckett, encenada pela primeira vez no Théâtre de Babylone,em Paris. Otexto da peça é de 1987 e presta homenagem à obra-prima de Beckett.

O espetáculo volta ainda em julho ao Teatro da UFSC, nos dias 26, 27 e 28.

Sobre O último Godot

Nos anos 1950, Beckett ofereceu ao ator e diretor teatral parisiense Roger Blin duas peças suas: Eleutheria (1947) e Esperando Godot. Blin optou por montar a segunda, porque considerou que os custos de produção de Godot  não seriam tão altos quanto os de Eleutheria, que precisava de um cenário móvel e de dezessete atoresem cena. Godotrequeria apenas cinco atores e um cenário praticamente vazio, com uma arvorezinha ao fundo.  O tema mais visível da peça de Beckett é a espera: em dois atos, dois personagens, Estragon e Vladimir, esperam a chegada de Godot.

Em 1987, o dramaturgo romeno Matéi Visniec (1956 – ), radicado na França, escreveu O último Godot, em homenagem à obra-prima de seu mestre Samuel Beckett. Para Visniec, a peça de Beckett, “hermética para um bom número de pessoas, ‘absurda’ para a maioria dos observadores do fenômeno literário, era para mim de uma clareza incrível, de um realismo cruel, de uma transparência divina. Lendo Esperando Godot compreendi quase tudo sobre a natureza humana.”

O último Godot (1987) narra o encontro inusitado entre o escritor irlandês Samuel Beckett (1906 – 1989) e seu misterioso personagem Godot (de Esperando Godot, 1952). Godot, na releitura contemporânea de Visniec, tem uma visão bastante apocalíptica do teatro:

Beckett – Eu também quero dizer uma coisa. Lamento tudo que aconteceu. Se quiser, você pode entrar no final, como queira.

Godot – E pra quê? O teatro está morto.

Ao ser perguntado sobre o que quis dizer com “o teatro está morto”, e se teria alguma relação com a situação do teatro na Romênia, Visniec explicou que, no seu país, em certo período da história, o teatro viveu (ou antes sobreviveu) “enquanto teatro vigiado, perseguido (pelo poder), frequentemente desfigurado pelos pequenos ‘compromissos’ que os autores aceitavam para ver suas peças representadas.”

Porém, pode-se também pensar que a “morte do teatro” estaria relacionada com a descrença atual de que a arte (ou o teatro, mais especificamente) poderia “salvar” o mundo; ou, ainda, com a ideia de um teatro que se  esgotou enquanto função e meio.

Alunos integrantes da peça

Robson Walkowski

Priscila de Souza Serafim

AndersonSouza

Eduardo Stahelin

Giovana Ursini

Ivi Louise Horst

Jacqueline Kremer

José Jocimar

Lindson Mühlmann

Sinopse

A peça de Visniec narra o encontro inusitado entre o escritor irlandês Samuel Beckett (1906 – 1989) e seu misterioso personagem Godot, de “Esperando Godot”. Godot, na releitura contemporânea de Visniec, tem uma visão bastante apocalíptica do teatro: “o teatro está morto!”

 

SERVIÇO

O QUÊ: peça “O Último Godot”

QUANDO: dias 5, 6 e 7 de julho de 2013, às 20h

ONDE: Teatro da UFSC (ao lado da Igrejinha) – Praça Santos Dumont, Trindade, Florianópolis

QUANTO: Gratuito. Reservar ingresso pelo email

Fonte: Bruna Andrade – Acadêmica de Jornalismo, Estagiária no DAC: SECULT:UFSC

 

Oficina Permanente de Teatro apresenta “Cenas do Cotidiano II”, dia 3/7

01/07/2013 04:34

Momento de ensaio da OPT

Oficina Permanente de Teatro encerra semestre com apresentação do espetáculo “Cenas do Cotidiano II”

O Teatro da UFSC recebe a peça “Cenas do Cotidiano II”, produzida pela Oficina Permanente de Teatro (OPT) do Departamento Artístico Cultural (DAC), no dia 3, às 20h. O espetáculo, um jogo teatral com cenas variadas, terá entrada gratuita. O espetáculo reúne peças curtas do dramaturgo Ivo Bender.

A OPT já realizou uma grande montagem da obra de Ivo Bender, que denominou “Cenas do Cotidiano”, na época com a direção de Carmen Fossari. Agora o grupo volta com uma apresentação mais breve, uma experimentação do jogo dramático que ocorreu  sob a orientação e direção de Sérgio Bessa no transcorrer deste primeiro semestre de2013. Amontagem conta  com a  supervisão de Carmen Fossari

A dramaturgia de Ivo Bender nestes textos consegue, através de cenas curtas, trazer personagens aos quais nos identificamos. As situações repetem-se e beiram uma aproximação com a dramaturgia do Teatro do Absurdo, porém sem a mesma intensidade da repetição dramatúrgica ou mesmo do desenvolvimento da trama que se repete.

Em virtude das dificuldades de manutenção das Oficinas de Arte do DAC, neste primeiro semestre, foram mantidas na OPT apenas duas turmas de Teatro de Rua e outra de Improvisação e Montagem reunindo alunos de semestres passados e alguns alunos novos.

A Oficina Permanente de Teatro (OPT) integra o Departamento Artístico Cultural (DAC), da Secretaria de Cultura (SeCult) da UFSC.

 

Sinopse

A montagem conta com quatro peças breves: Crime na biblioteca; Bye, bye, sweet home; Casinha pequenina e Nas barras do tribunal. Na primeira, um chá misterioso e uma investigação de um crime. Em Bye, bye sweet home, casal de namorados adolescentes apaixonados foge de casa enquanto a mãe, através do telefone, revela um casamento em crise. Casinha pequenina mostra o cotidiano de um casal anestesiado pela rotina e com uma filha rebelde. Por último, Nas barras do tribunal uma cena com um desfecho inesperado em uma audiência no tribunal sobre separação de um casal.

Elenco: Laís Piazza, Fernanda Talheder, Gustavo F. Valente, Antonieta Mercês,  Uziel Santana, Cristiano Simões, Sylvain Fournier, Loris Gruginski, Tamiris Rodrigues, Simão Gruber, Daniel Barreto Berger, Silmara Gruber.                          

Ficha Técnica: Iluminação: Luciano Bueno, Sérgio Bessa / Figurino: O Grupo, Suélen Benicá, Carmen Fossari / Sonoplastia: Sérgio Bessa / Operador de Som: Adriano Ferlin / Cenário: Carmen Fossari, O Grupo.

 

A Oficina Permanente de Teatro (OPT)

A Oficina Permanente de Teatro – OPT tem por objetivo uma vivência na área das Artes Cênicas compreendendo o estudo teórico e a vivência teatral. Possui uma grade disciplinar básica denominada “de como ser para representar ou ser”. A cada turma, dependendo da vocação do grupo aí formado, ela realiza o processo de montagem seguindo a tendência natural do grupo. Esta vivência poderá ser de Teatro de Rua,  Mímica,Teatro de Animação, Montagem dos Clássicos , Ciclos de Leituras Dramáticas e mais recente Circo. Depois desta etapa, os alunos, que de fato sintonizam sua vocação, podem integrar o elenco do Grupo Pesquisa Teatro Novo da UFSC.

Desde1982, aOficina Permanente de Teatro, vinculada ao Departamento Artístico Cultural (DAC), realiza suas atividades na formação do ator/cidadão. Do ano de1977 a1981, o então Setor de Teatro da UFSC, oferecia o Curso Livre de Formação de Ator, com disciplinas inter-relacionadas (corpo, voz, história do teatro) ministradas por Carmen Fossari, que desde então formulou o método “de como ser para representar outro ser”.

A partir de 1982, com a inclusão de outros profissionais da área teatral, o curso foi transformado em OPT – Oficina Permanente de Teatro.

 

SERVIÇO:

O QUÊ: espetáculo Cenas do Cotidiano II, Textos Ivo Bender. Direção Sérgio Bessa.

QUANDO: dia 3 de julho de 2013, às 20 horas

ONDE: Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha. Praça Santos Dumonnt, Trindade, Florianópolis.

QUANTO: Gratuito. Retirar os ingressos no local, meia-hora antes do início da peça.

DURAÇÃO: Cerca de 50 minutos. CLASSIFICAÇÃO: Livre

CONTATO: DAC / Teatro da UFSC: (48) 3721-9348 – www.dac.ufsc.br

Fonte: Bruna Andrade – Acadêmica de Jornalismo, Estagiária no DAC: SECULT: UFSC, com textos e fotos da OPT.

Atualizado em 01.07.12 – 18h35